terça-feira, abril 11, 2006

No meu regresso à praia encontrei este texto...

"A vida, qual barquinho a navegar, é uma coisa estranha e ao mesmo tempo fantástica. Lá vamos nós no tal barquinho a seguir um rumo e de repente levanta-se um vento, mudam as marés e lá vamos nós na direcção oposta à que tínhamos quando zarpamos. Por vezes vamos ao sabor do vento, outras encalhamos, outras ainda pensamos que não somos marinheiros suficientemente bons para a maré que nos empurra, mas normalmente pensamos que somos exímios marinheiros e remamos contra a corrente, contra os ventos e vêmo-nos no meio da tormenta, naufragamos... Mas lá agarramos a bóia com todas as forças, subimos ao barquito, olhamos para as estrelas e continuamos a nossa viagem.Na maior parte da minha vida largo o porto com um destino preciso, mas a meio da viagem vejo-me a ir ao sabor do vento e sujeito às intempéries ou a remar contra a maré, mas tenho conseguido encontrar um porto de abrigo algumas vezes com o auxílio de alguns faróis que vou encontrando no caminho. E são estes faróis que na noite escura e chuvosa nos indicam o caminho que fazem a viagem valer a pena. Ao entrarmos naquela enseada sabemos que sem aquele raio de luz ninguém sobrevive sozinho no mar. A viagem continua!!"

1 comentário:

eco de mim disse...

pois é, a bem ou a mal, a vgm continua, c uns raios de luz aqui e além...